top of page

Futuro do Design de Exposições: Inovação, Tecnologias Emergentes e Storyliving

No universo dinâmico do design de exposições, a arte de criar espaços transcende a mera exibição de produtos. As exposições tornaram-se a fusão entre design e experiência, em que cada interação é uma oportunidade de cativar e criar momentos extraordinários.  As exposições, sejam elas design de varejo, stand de feira ou até mesmo um museu são a chave para envolver, emocionar, sensibilizar e fidelizar visitantes.



Neste contexto, a narrativa se torna o elo entre organizações, marcas e públicos. Mergulharemos nos desafios, oportunidades e nas tecnologias emergentes que estão moldando o futuro deste campo. Prepare-se para desvendar as nuances do design de experiências em exposições e descobrir como ele se torna a peça fundamental na estratégia de comunicação de marcas visionárias.


A Evolução do Design de Exposições


Do louvre a Bayer


Se você ainda não conhece Herbert Bayer (1900 – 1985), este é o arquiteto que revolucionou a forma como as exposições são desenhadas. Até então, era tudo um amontoado de coisa. Você entrava numa loja e os produtos estavam todos lá, misturados. Os museus não eram muito diferentes, com as obras de arte todas expostas sem critério. E os stands estavam dando seus primeiros passos.


Estamos falando do início do século XX e movimentos como Bauhaus, Gestalt e Modernismo, que adicionam à funcionalidade dos projetos de interiores, psicologia das cores, publicidade, design de percursos e até ergonomia. Os objetos em exposição são catalogados e o que será exibido ou não é escolhido a dedo. Além disso, as vitrines, totens e expositores em geral são desenhados para que o produto fique bem visível.


Na virada deste milênio a experiência de quem vai usar o espaço torna-se uma arma poderosa. Tudo é feito para que a pessoa tenha sentimentos positivos e fique mais um pouquinho. Lojas, museus e stands oferecem um aroma ou sabor personalizado, atendimento diferenciado e a arquitetura adota a linguagem narrativa. Ou seja, o design de exposições torna-se um meio de comunicação usando paredes, pisos, expositores, iluminação, cores etc. para envolver ao máximo o visitante e encantá-lo.


Desenhando Experiências


A Economia da Experiência, apresentada por Pine and Gilmore no início do milênio, trouxe uma revolução. Termos como Marketing de Experiência, User Experience e Consumer Experience passaram a fazer parte do vocabulário diário de designers, arquitetos e publicitários. Os projetos são pensados para que o ambiente promova experiências memoráveis, como um aroma especifico, iluminação cênica e revestimentos personalizados.


A pesquisa de 2023 do Anuário Brasileiro de Live Marketing destaca um crescimento notável de quase 200%, em comparação a 2019, nos investimentos das empresas em comunicação por meio de experiências. Além disso, estudos apontam para a preferência do público para atividades que unam o entretenimento a compras (shoppertainment) e educação (edutainment), conforme indicado pela revista Meio e Mensagem.

Em resumo, as pessoas anseiam por narrativas envolventes e momentos que transcendam o ordinário. Esta mudança de mentalidade exerce uma influência direta sobre a abordagem de arquitetos e designers no campo do design de exposições, impulsionando a transformação de espaços para além da simples transmissão de informações.

 



aplicativo de realidade aumentada que coloca Deadpoll nas lojas da 7 Eleven

Nos ultimos anos, a busca por experiências memoráveis tornou-se um indicador-chave de sucesso nas estratégias de comunicação. As pessoas desejam imersão, envolvimento emocional e uma narrativa que as faça sentir parte integrante da história contada pela marca. Logo a narrativa (storytelling) torna-se uma ferramenta poderosa no design de exposições, convertendo espaços físicos em palcos envolventes. Integrar storytelling ao design é criar um cenário imersivo, onde cada elemento, desde a disposição dos objetos até a escolha das cores e iluminação, contribui para que o visitante seja o protagonista da história.

Ao reconhecer a crescente demanda por experiências, arquitetos e designers enfrentam o desafio de adotar uma abordagem holística, transformando as exposições em capítulos de narrativas. Assim, os ambientes evocam emoções e estabelecem uma conexão única entre o visitante e a mensagem transmitida. Projetar espaços narrativos significa proporcionar ao visitante uma experiência que vai além da simples observação.


Desafios e Oportunidades


Estudos sobre o comportamento das pessoas em ambientes expositivos, como lojas, stands e museus, atestam que a fidelização e sensibilização dependem do relacionamento contínuo. Portanto, as experiências excepcionais proporcionadas pelo design de exposições desempenham um papel crucial nesse processo. O pesquisador Chris Anderson sugere a estratégia da "cauda longa" para manter a fidelização das pessoas a um determinado produto ou assunto, destacando a importância de um relacionamento duradouro.



adaptado de Chris Anderson

Ao aplicarmos essa teoria ao design de exposições, compreendemos que a experiência ao vivo é o ponto alto da curva que manterá as pessoas engajadas. Em ambientes expositivos, os visitantes se envolvem emocionalmente e são imersos em uma história cativante, resultando em algo verdadeiramente memorável.

Ainda assim, o estudo da revista Promoview atenta que apenas oferecer a experiência não é garantia que a mensagem chame a atenção e fique na memória do visitante e usuário. Por isso, no universo dinâmico do design de exposições, embora a busca por proporcionar experiências memoráveis seja premente, surgem desafios e oportunidades comuns que demandam abordagens inovadoras.


Desafios Comuns no Design de Exposições e Como Superá-los


Padronização e Risco de Monotonia: O desafio de criar exposições únicas sem cair na monotonia é recorrente. A solução reside na exploração constante de novas abordagens criativas, experimentação com elementos não convencionais e a busca por inspiração em fontes diversas.


Atingir Diversos Perfis de Público: Cada exposição atrai uma audiência diversificada. A personalização da experiência para diferentes perfis de público é um desafio constante, mas também uma oportunidade para criar ambientes inclusivos e envolventes.


Integração de Tecnologias de Forma Efetiva: A introdução de tecnologias como IA, realidade aumentada e realidade mista pode ser desafiadora. A chave está na integração coesa dessas tecnologias para enriquecer a experiência, sem distrair do propósito principal da exposição.

 

Oportunidades para Inovação e Diferenciação


Sustentabilidade como Diferencial: A crescente preocupação com o meio ambiente oferece uma oportunidade única para integrar práticas sustentáveis ao design de exposições. Materiais eco-friendly e mensagens alinhadas com a responsabilidade ambiental podem diferenciar uma exposição.


Experiências Multi-Sensoriais: Explorar além da visão e incorporar experiências multi-sensoriais, como aromas, sons e texturas, pode criar um impacto mais profundo. Essa abordagem permite que as exposições transcendam a experiência visual, tornando-as mais memoráveis.


Colaborações Inovadoras: Colaborações criativas enriquecem o processo de design e oferecem oportunidades para surpreender o público. As exposições, seja elas em uma loja, stand ou museu podem enriquecer a experiencia ao oferecer atividades incomuns ao exposto. As lojas de cozinhas modulares têm ofertado cursos de culinária, stands costumam chamar artistas e expoentes do mercado para interagir com os visitantes e museus, como o Museu do Amanhã, se integram à comunidade local com aulas de Yoga no átrio do Museu.


As Tecnologias e o Futuro do Design de Exposições


Por isso, é certo dizer que o futuro do design de exposições está intrinsecamente ligado às tecnologias emergentes, prometendo transformar radicalmente a maneira como os visitantes interagem e se envolvem com o ambiente expositivo. Em particular, tecnologias como Inteligência Artificial (IA), realidade aumentada (RA) e realidade mista (RM) estão moldando a próxima era de experiências imersivas.


A Inteligência Artificial, com sua capacidade de processar dados em tempo real e personalizar interações, oferece um potencial sem precedentes para adaptação às preferências individuais dos visitantes. Imagine uma exposição que, ao incorporar IA, ajusta dinamicamente a narrativa com base nas interações anteriores do visitante, proporcionando uma experiência altamente personalizada.


A Realidade Aumentada, por sua vez, transcende as limitações físicas do espaço expositivo, sobrepondo elementos virtuais ao ambiente real. Isso não apenas enriquece a informação disponível, mas também oferece uma abordagem interativa e participativa.


A Realidade Mista, uma fusão da realidade física e virtual, abre as portas para narrativas verdadeiramente imersivas. Imagine uma exposição onde os objetos físicos coexistem harmoniosamente com elementos digitais, criando uma experiência única e altamente envolvente.


O cenário das exposições se mostra promissor ao integrar as comunicações no ambiente físico e no digital. Dessa forma as experiências dentro do espaço físico da exposição podem ser continuamente integradas a canais digitais. Os designers de exposições precisam estender a experiência para além do espaço expositivo, através de plataformas online, aplicativos e mídias sociais.


O futuro do design de exposições, portanto, está intrinsecamente entrelaçado com a habilidade de aproveitar essas tecnologias para criar experiências dinâmicas, personalizadas e profundamente envolventes. À medida que a integração de IA, realidade aumentada e realidade mista se torna mais sofisticada, o design de exposições não será apenas um local para exibir informações, mas sim um palco para narrativas inovadoras que transcendem as fronteiras da realidade e elevam a experiência do cliente a novos patamares.


Conclusão

A evolução do design de exposições destaca transformações significativas desde a simples exibição de informações até a ferramenta para criação de narrativas imersivas que cativam e fidelizam o público. Diante dos desafios, como a necessidade de evitar a monotonia e a integração eficaz de tecnologias emergentes, o design de exposições se apresenta como um campo de oportunidades. Com a personalização da experiência, a sustentabilidade como diferencial e a incorporação de tecnologias como IA e realidade aumentada, o futuro do design de exposições é uma junção de inovação e envolvimento emocional, destacando sua contínua relevância na era da experiência.

Assim, tendo o design da exposição como cenário de narrativas, o storytelling vem dando espaço ao storyliving, onde os ambientes se transformam em palcos interativos, convidando os participantes a viverem e se conectarem emocionalmente com a história contada. Acompanhe este blog, mergulhe neste universo e transforme suas exposições em jornadas inesquecíveis.




Comments


bottom of page